Perguntas mais frequentes (FAQs)

Procurar pergunta

Mostrar filtro Ocultar filtro





Apoio ao cliente 24/7

Base de dados de conhecimento

Para além do serviço de apoio técnico (p. ex. via e-mail, chat), pode encontrar na nossa página de Internet material de apoio e informação a toda hora.

Newsletter

Receba regularmente informação sobre novidades, dicas úteis, eventos planeados, ofertas especiais e vales.

1 - 10 de 125

Ordenar por:

Itens:

  • Resposta

    A rigidez de corte provavelmente não foi considerada no cálculo manual ou foi assumida como infinita. No RFEM/RSTAB, isto é tido em consideração de acordo com a realidade por defeito para que a deformação seja mais desfavorável do que no cálculo manual que inclui apenas o componente de deformação da flexão.

    A rigidez de corte pode ser desativada nos parâmetros de cálculo globais (menu "Cálculo" → "Parâmetros de cálculo"), ver Figura 01.

    Figura 01 - Desativar a resistência ao corte

  • Resposta

    Provavelmente, o software está bloqueado por um antivírus.

    Recomendamos que adicione os programas da Dlubal, incluindo o diretório de trabalho, às exceções de todos os antivírus utilizados.

    O caminho do diretório de trabalho pode ser encontrado através do menu "Opções" → "Opções do programa", separador "Ficheiros de dados" → categoria "Diretoria de trabalho", ver a Figura 01.

    Figura 01 - Caminho do diretório de trabalho

  • Resposta

    A configuração geral da malha de EF pode ser modificada com o auxílio da interface IFeMeshSettings. Esta interface está localizada em IModel > IModelData > ICalculation. A Figura 01 mostra os elementos que podem ser modificados/apresentados.

    Veja aqui um exemplo de um código em que o comprimento-alvo dos elementos de EF é definido para 100 mm. Além disso, ainda é ativada a divisão das barras com o mesmo tamanho de elemento e a divisão mínima é definida para 3 elementos:

    Sub mesh_params()

    Dim iApp As RFEM5.Application

    '   get interface for model data
    Dim iModel As RFEM5.model
    Set iModel = GetObject(, "RFEM5.Model")

    On Error GoTo e

    If Not iModel Is Nothing Then
        
        '   get interface for application and lock licence
        Set iApp = iModel.GetApplication()
        iApp.LockLicense
        
        '   get interface for model dat
        Dim iModdata As RFEM5.IModelData2
        Set iModdata = iModel.GetModelData
        
        '   get interface for calculation
        Dim iCalc As RFEM5.ICalculation2
        Set iCalc = iModel.GetCalculation()
        
        '   get interface for mesh settings
        Dim iMeshSet As RFEM5.IFeMeshSettings
        Set iMeshSet = iCalc.GetFeMeshSettings
        
        '   get general mesh settings
        Dim meshGen As RFEM5.FeMeshGeneralSettings
        meshGen = iMeshSet.GetGeneral
        
        meshGen.ElementLength = 0.1
        
        '   set new general mesh settings
        iModdata.PrepareModification
        iMeshSet.SetGeneral meshGen
        iModdata.FinishModification
        
        '   get mesh member settings
        Dim meshMem As RFEM5.FeMeshMembersSettings
        meshMem = iMeshSet.GetMembers
        
        meshMem.DivideStraightMembers = True
        meshMem.ElementLength = 0.1
        meshMem.MinStraightMemberDivisions = 3
        
        '   set new mesh member settings
        iModdata.PrepareModification
        iMeshSet.SetMembers meshMem
        iModdata.FinishModification
        
        
        iApp.UnlockLicense
    End If

    e:  If Err.Number <> 0 Then
        MsgBox Err.description, , Err.Source
        End If
        iApp.UnlockLicense
        Set iApp = Nothing
        Set iModel = Nothing

    End Sub


    A sub-rotina também é completada por uma rotina de interceção de erros (On Error GoTo e) e volta a ser necessário um bloco Prepare-/FinishModification, tal como para a modificação de outros elementos. Aqui, o bloco é criado através da interface IFeMeshSettings.

  • Resposta

    O número de casos e combinações de carga calculados de uma só vez está limitado a 9999. Esta limitação pode ser evitada através da opção "Para calcular", que permite selecionar os casos a serem calculados. Assim, os casos e as combinações de carga podem ser divididos em vários grupos com um menor número de casos.
  • Resposta

    Basicamente, estão disponíveis seis métodos de solução para o sistema de equações algébrico não linear. Se o seu modelo não incluir nenhuma não linearidade (ou seja, o utilizador criou um sistema puramente linear), o acesso a este campo de seleção é bloqueado.

    Figura 01 - Sistema sem não linearidades

    Assim que definir uma não linearidade no modelo, o campo de seleção para os métodos de solução é ativado, podendo selecionar o método desejado.

    Figura 02 - Sistema com não linearidades

  • Resposta

    Em princípio, o cálculo com o RF-FORM‑FINDING obedece aos mesmos requisitos de um cálculo sem este módulo adicional, pelo que devem ser verificados os critérios para instabilidades gerais (ver ligações).

    No entanto, ocorrem frequentemente problemas com o RF-FORM‑FINDING porque o processo de form-finding foi ativado para elementos a mais. Por isso, deve verificar se foram ativados os elementos corretos (necessários) (ver Figura 01).

    No exemplo seguinte na Figura 02, o form-finding foi ativado para todas as barras horizontais. Isto resulta no erro "A matriz de rigidez é singular!" (ver figura 03). Se as barras forem desativadas, o cálculo é bem-sucedido (ver Figura 04).

  • Resposta

    Nos parâmetros de cálculo do RFEM ou do RSTAB, as caixas de texto "Número de incrementos de carga para casos de carga/combinações de carga" encontram-se no separador "Parâmetros de cálculo globais". Estas duas entradas controlam a aplicação incremental numérica das condições de fronteira de carga definidas nos respetivos casos e combinações de carga. O valor recíproco da entrada descreve uma fração da carga. O processo de resolução aplica sucessivamente as frações de carga definidas no modelo em incrementos de carga até ser atingida a carga completa. Nos respetivos incrementos de carga, o solucionador de equações tenta encontrar um equilíbrio dentro das iterações máximas permitidas e, assim, especificar valores iniciais adequados para o próximo incremento de carga.

    Figura 02 - Parâmetros de cálculo

    É possível imaginar que o processo de resolução recolhe a carga completa de um caso de carga ou de uma combinação de carga numa espécie de "regador" e a coloca em porções no modelo de recolha de carga. Neste caso, o número de incrementos de carga está correlacionado com a velocidade da aplicação de carga. A velocidade não deve ser entendida como um parâmetro de tempo real, mas sim puramente numérico.

    Figura 01 - Desenvolvimento da deformação em função do incremento de carga

    A aplicação da carga incremental tem apenas um efeito no caso de sistemas estruturais não lineares. Geralmente, fornece uma qualidade de resultado mais alta, proporcional ao número crescente de incrementos de carga. O objetivo básico deste método é encontrar uma microconvergência nos respetivos incrementos de carga para especificar novos valores iniciais de alta qualidade para o próximo incremento de carga e, finalmente, obter uma macroconvergência para todo o caso de carga.

    Figura 03 - Diagramas de cálculo

  • Resposta

    Se uma barra estiver ligada excentricamente a uma superfície ou a outra barra, também poderá deduzir que cada nó (RSTAB) e cada nó de EF (RFEM) de cada elemento estão acoplados à barra (ver Figura 01 na parte superior). O resultado é idêntico ao das excentricidades definidas (ver Figura 01, na parte inferior).

    Figura 01 - Excentricidade com barras rígidas (em cima) e excentricidades definidas (em baixo)

    O sistema estrutural apresentado na figura nada mais é do que uma viga treliça com um banzo superior e um banzo inferior, os quais estão ligados entre si através de verticais. Conforme se sabe, devido à geometria, os banzos são cada vez mais tensionados por forças axiais e menos por momentos de flexão.

    Figura 02 - Distribuição do momento fletor (em cima) e da força axial (em baixo)

  • Resposta

    Existem duas formas de o fazer:

    1. Pode definir a barra correspondente como uma barra nula. Assim, a barra não é considerada no cálculo total dos casos de carga e das combinações de carga.
    2. A barra correspondente pode ser desativada na totalidade ou apenas em determinados casos de carga e/ou combinações de carga. Para isso, é necessário ativar a opção "Alterar rigidez" nos parâmetros de cálculo do caso de carga ou da combinação de cargas. Em seguida, pode desativar a barra desejada na janela do separador adicional.

    No entanto, deve ter em atenção os seguintes pontos:

    • Quando utiliza a barra nula, aparece uma mensagem de aviso no caso de terem sido definidas as cargas da barra.
    • No caso de cargas geradas, as cargas são redistribuídas automaticamente quando se utiliza a barra nula.
    • Ao desativar a barra nos parâmetros de cálculo, as cargas da barra e as cargas geradas determinadas também não são consideradas. Neste caso, não aparece nenhuma mensagem de erro. É necessário redistribuir as cargas manualmente.
  • Resposta

    Além da força de pré-esforço ou da inclinação do cabo de destino, também é possível especificar o comprimento do cabo, como mostra a Figura 01.

    Figura 01 - Introdução do comprimento de destino do cabo

    De seguida, o programa tenta ajustar o cabo sujeito à força de atuação (por exemplo, um caso de carga do tipo "form-finding" com peso próprio) de forma que o comprimento corresponda ao comprimento especificado.

1 - 10 de 125

Contacto

Encontrou a sua pergunta? Se não for o caso, entre em contacto connosco por e-mail, chat ou no fórum de discussão, ou então envie-nos a sua questão através do formulário online.

+49 9673 9203 0

(falamos português)

info@dlubal.com

Primeiros passos

first-steps

Aqui damos-lhe algumas dicas e informações úteis que o ajudam a familiarizar-se mais rapidamente com os programas principais RFEM e RSTAB.

Simulação de vento e geração de cargas de vento

O programa autónomo RWIND Simulation permite simular fluxos de vento em estruturas simples ou complexas através de um túnel de vento digital.

As cargas de vento geradas que atuam sobre esses objetos podem ser importadas para o RFEM ou o RSTAB.

O vosso apoio técnico é de longe o melhor

"Muito obrigado por toda a informação.

Gostaria de elogiar a equipa de apoio ao cliente. Fico sempre surpreendido com a rapidez e o profissionalismo com que as questões são respondidas. Na área da análise de estruturas, utilizo vários softwares inclusive com contratos de assistência, mas o vosso apoio técnico é de longe o melhor."