Perguntas mais frequentes (FAQs)

Procurar pergunta




Apoio ao cliente a toda hora

Base de dados de conhecimento

Para além do serviço de apoio técnico (p. ex. via chat), pode encontrar na nossa página de Internet material de apoio que pode ser útil para os seus trabalhos com o software Dlubal.

Newsletter

Receba regularmente informação sobre novidades, dicas úteis, eventos planeados, ofertas especiais e vales.

  • Resposta

    A biblioteca de secções no RFEM ou no RSTAB oferece a opção de importar uma lista de secções parametrizadas para a biblioteca de secções definida pelo utilizador através da função "Importar tabela de secções do ficheiro". 


    Figura 01 - Importar a tabela de secções do ficheiro

    Para esta tarefa, o formato da secção a ser importado deve ser compatível com um formato já passível de ser parametrizado na biblioteca de secções da Dlubal (nomeadamente a tabela de secções). Esse formato da secção determina o tipo e a ordem dos parâmetros de importação. 

    Para importar uma tabela de secções definida pelo utilizador, proceda do seguinte modo:

    1. Procure na biblioteca de secções da Dlubal uma tabela de secções compatível com a que pretende importar. 

      Aqui, os tipos de secções parametrizáveis (paredes finas, betão armado e madeira) especificam os parâmetros necessários, de cima para baixo, na ordem correta para a importação diretamente nas caixas de diálogo das caixas de entrada.

      Figura 02 - Parâmetros e sequência de secções regulares definidas em termos paramétricos

      Para os tipos de secções laminadas, pode encontrar os parâmetros necessários na ordem correta através da função "Entrada paramétrica".

      Figura 03 - Parâmetros e sequência de secções laminadas definidas em termos paramétricos

    2. Crie uma tabela CSV para a tabela de secções a ser importada e que em cada linha descreva uma secção precisa através dos parâmetros "Nome" + parâmetros de forma, com base na lista e na ordem de parâmetros anteriormente definidas.

      Os parâmetros de forma devem ser especificados em mm

      Figura 04 - Criação do ficheiro CSV

      Por motivos relacionados com a visualização de dados, os nomes das secções individuais no ficheiro CSV devem começar com o mesmo fragmento de texto do próprio nome do ficheiro CSV. Deste modo, consegue assegurar que a nova linha de secção no RFEM ou no RSTAB tem o nome do ficheiro CSV.

    3. Importe o ficheiro CSV com indicação da tabela de secções utilizada na biblioteca de secções definida pelo utilizador.

      Figura 05 - Importação da tabela de secções

    4. Utilize as secções da tabela de secções acabada de importar nos seus modelos. 

      Figura 06 - Utilização da nova tabela de secções definida pelo utilizador

  • Resposta

    No RFEM, pode procurar nós de malha de EF utilizando o menu "Editar" → "Localizar por número". O pré-requisito é, obviamente, uma malha de EF existente.
  • Resposta

    O processamento simultâneo de ficheiros do RFEM ou do RSTAB não é possível. Quando é aberto, o ficheiro correspondente fica bloqueado e preparado para ser utilizado no RFEM ou no RSTAB no diretório de trabalho local do utilizador. Qualquer outro utilizador pode então abrir o ficheiro do RFEM ou do RSTAB como uma cópia. Um modo multiutilizador não está planeado a médio prazo.
  • Resposta

    Em princípio, pode utilizar o programa SHAPE-THIN para atribuir o nome de secção que desejar. No entanto, impõe-se alguma prudência quando se utiliza o mesmo nome para diferentes secções.

    Devido à estrutura de dados armazenada no programa, o programa substitui os perfis com descrições idênticas. Neste caso, a base de dados do programa SHAPE-THIN está ligada aos programas RFEM e RSTAB. Um armazenamento duplo de dados conduziria inevitavelmente a conflitos por parte do programa.

    Se o utilizador pretender atribuir repetidamente nomes idênticos, pode eliminar o ficheiro EigProf.dat na respetiva pasta (por exemplo, C:\ProgramData\Dlubal\RFEM 5.xx\General Data). Neste ficheiro, são armazenados os perfis definidos pelo utilizador.

  • Resposta

    Pode guardar os esquemas de combinação criados e ajustados manual ou automaticamente, e utilizá-los noutro ficheiro RSTAB/RFEM. Isto é demonstrado através de um exemplo simples no vídeo.
  • Resposta

    A estrutura de diretórios no Gestor de projetos é administrada através do ficheiro PRO.DLP. Por norma, o ficheiro está localizado na pasta C:\ProgramData\Dlubal\Global\Project Manager. Pode verificar os caminhos do diretório do gestor de projetos na caixa de diálogo "Opções do programa" (menu do Gestor de projetos "Editar → Opções do programa"), ver também a Figura 1.  Este ficheiro da base de dados encontra-se disponível para todos os utilizadores. Se pretender que cada utilizador use uma estrutura de projeto diferente, pode criar um PRO.DLP para cada utilizador (por exemplo, PRO_User1.DLP, PRO_User2.DLP). O ficheiro da base de dados deve então ser definido pelo respetivo utilizador nas opções do programa após cada troca de utilizador. Isso também é demonstrado no vídeo.

  • Resposta

    Os materiais definidos pelo utilizador estão disponíveis para todos os utilizadores. Todos os utilizadores devem ter permissão de acesso total ao caminho da biblioteca de materiais definido pelo utilizador.

    Os materiais definidos pelo utilizador são guardados no ficheiro Materials_User.dbd. Numa instalação padrão, o ficheiro encontra-se no diretório C:\ProgramData\Dlubal\[Programm] [Version]\General Data. O caminho do ficheiro também pode ser visualizado nas opções do programa (ver Figura 1). 

  • Resposta

    As secções que não estão contidas na biblioteca de secções podem ser introduzidas no RFEM / RSTAB de duas formas.

    1º 

    As secções definidas pelo utilizador podem ser criadas com os programas de secções SHAPE-THIN ou SHAPE-MASSIVE. Os perfis SHAPE-THIN ou SHAPE-MASSIVE podem ser importados através da biblioteca de secções. Para o fazer, clique em "Importar secção do programa SHAPE-THIN" ou "Importar secção do programa FORMA MAIS" na caixa de diálogo "Nova secção" (Figura 1). Nesta caixa de diálogo, pode selecionar e importar a secção desejada. Tenha em atenção que as secções devem ser calculadas e armazenadas em SHAPE-THIN ou SHAPE-MASSIVE antes de os valores da secção poderem ser importados. Só é possível importar cada secção individualmente.

    2º 
    Se são conhecidos os valores da secção do fabricante, estes podem ser criados na base de dados de secção do RFEM através da opção "Criar nova secção definida pelo utilizador" (Figura 2). Ao contrário das secções criadas com o SHAPE-THIN ou o SHAPE-MASSIVE, estas secções definidas pelo utilizador não podem ser dimensionadas em módulos adicionais tais como o RF- / STEEL EC3, porque os dados necessários para o dimensionamento, como partes c / t, está em falta.

    Para aceder aos perfis definidos pelo utilizador, clique na secção "Carregar secções definidas pelo utilizador definidas pelo utilizador" na biblioteca de secções (Figura 3).

    As secções definidas pelo utilizador são armazenadas independentes de posições cruzadas no ficheiro EigProf.dat. Mesmo com um salto de versão (por exemplo, de X.19.XXXX para X.20.XXXX), estas secções são importadas. O local de armazenamento da biblioteca de secções definida pelo utilizador pode ser determinado com as opções do programa (Figura 4). É possível copiar um banco de dados de perfis definido pelo usuário já criado em um centro de trabalho e colá-lo no respectivo diretório do outro centro de trabalho. Os perfis definidos pelo utilizador estão assim disponíveis também na outra estação de trabalho sem ter de os importar novamente.
  • Resposta

    É possível que a base de dados de perfis definida pelo utilizador, EigProf.dat, esteja em falta no seu computador ou esteja danificada. Por favor, abra o separador "Directorias de dados" das opções do programa e selecione a categoria "Biblioteca de secções definida pelo utilizador".

    Abra o diretório exibido e verifique se o arquivo EigProf.dat está disponível. Se o ficheiro estiver disponível, por favor mude o nome.

     

    Se o caminho incluindo o ficheiro não corresponder ao caminho predefinido para o RFEM 5.20 "C: \ Dados do programa \ Dlubal \ RFEM 5.20 \ Dados gerais \ EigProf.dat" nas opções do programa, defina este caminho predefinido nas opções do programa.

  • Resposta

    Sim, o problema também pode ser causado pelo RFEM. A pré-visualização dos ficheiros RFEM no Windows Explorer pode fazer com que o Explorer reaja mais lentamente.

    Para uma possível solução, proceda da seguinte forma:

    Em C: \ Arquivos de programas \ Arquivos comuns \ Dlubal , renomeie o arquivo ThmShellEx64.dll para BACKUP-ThmShellEx64.dll .

    No caso da versão de 32 bits, renomeie o arquivo ThmShellEx.dll em C: \ Arquivos de programas (x86) \ Common Files \ Dlubal para BACKUP-ThmShellEx.dll .

    Finalmente, é necessário reiniciar o seu PC.

1 - 10 de 40

Contacto

Contacto da Dlubal

Encontrou a sua pergunta? Se não for o caso, entre em contacto connosco por e-mail, chat ou no fórum de discussão, ou então envie-nos a sua questão através do formulário online.

+49 9673 9203 0

(falamos português)

info@dlubal.com

Primeiros passos

first-steps

Aqui damos-lhe algumas dicas e informações úteis que o ajudam a familiarizar-se mais rapidamente com os programas principais RFEM e RSTAB.

Simulação de vento e geração de cargas de vento

O programa autónomo RWIND Simulation permite simular fluxos de vento em estruturas simples ou complexas através de um túnel de vento digital.

As cargas de vento geradas que atuam sobre esses objetos podem ser importadas para o RFEM ou o RSTAB.

O vosso apoio técnico é de longe o melhor

"“Obrigado pela informação valiosa.

Gostaria de elogiar a equipa de apoio ao cliente. Fico sempre surpreendido com a rapidez e o profissionalismo com que as questões são respondidas. Utilizei muito software com um contrato de apoio no domínio da análise estrutural, mas o seu apoio é de longe o melhor. "