Perguntas mais frequentes (FAQs)

Procurar pergunta

Mostrar filtro Ocultar filtro





Apoio ao cliente a toda hora

Base de dados de conhecimento

Para além do serviço de apoio técnico (p. ex. via chat), pode encontrar na nossa página de Internet material de apoio que pode ser útil para os seus trabalhos com o software Dlubal.

Newsletter

Receba regularmente informação sobre novidades, dicas úteis, eventos planeados, ofertas especiais e vales.

1 - 3 de 3

Ordenar por:

  • Resposta

    Ao criar uma combinação de carga, o tipo de cálculo "II. Para sistemas lineares, no entanto, que são estaticamente indeterminados, os resultados para os casos de carga, os quais são calculados de acordo com a análise da 1ª Ordem, podem ser diferentes.
  • Resposta

    Estes valores zero são causados pelo tipo de sobreposição no critério de combinação: se analisar vários casos ou combinações de carga numa combinação de resultados e define os casos de carga como 'Variáveis', será apresentado zero para o valor máximo ou mínimo nas localizações com os mesmos sinais. Ao usar a sobreposição de variável ('eventual'), também pode acontecer que nenhum caso de carga ou combinação entre em vigor. Zero é menor que o menor valor máximo ou maior que o maior valor mínimo.

    Uma solução seria definir os casos ou combinações de carga contidos na combinação de resultados como "Permanente", por exemplo: RC1 = CO1 / Permanente ou CO2 / Permanente ou CO3 / Permanente ou CO4 / Permanente 

    Os casos ou combinações de carga são então comparados como atuando permanentemente. Assim, os valores extremos obtidos são iguais a zero também para as áreas com os mesmos sinais.

  • Resposta

    Se pretende utilizar a análise de segunda ordem, tem de definir combinações de carga. No caso de uma combinação de carga , as cargas dos casos de carga contida são combinadas em 'um grande caso de carga' considerando os correspondentes coeficientes parciais de segurança e este caso de carga é então calculado de acordo com a análise de segunda ordem.

    No caso de uma combinação de resultados , por outro lado, os casos de carga contidos são calculados primeiro. De seguida, os resultados são sobrepostos considerando os coeficientes parciais de segurança. Não é possível definir o método de cálculo para combinações de resultados. Isto é possível apenas para casos de carga e combinações de carga.

    Para os casos de carga e combinações de carga, é possível especificar o método de análise nos parâmetros de cálculo, por exemplo, a análise de segunda ordem (ver Figura 01). Se o modelo inclui barras do tipo 'Cabo', estes elementos são calculados de acordo com a análise de grandes deformações.

    Para casos de carga e combinações de carga, obtém sempre forças internas não ambíguas. Por outro lado, as combinações de resultados incluem um envelope das forças internas (valores máximos e mínimos). Uma vez que os resultados dos casos de carga e combinações de carga estão sobrepostos nas combinações de resultados, os RC podem conter os resultados de acordo com a análise linear estática ou a análise de segunda ordem.

    No seu modelo, pode combinar os LC definidos num resumo RC com o ou critério (por exemplo, RC1 = CO1 / permanente ou CO2 / permanente ou CO3 / permanente ...). Assim, obtém as forças internas máximas e as deformações considerando a análise de segunda ordem (ver Figura 02).

    A 'permanente ou sobreposição' tem o efeito de que um ou ambos os COs são utilizados para os resultados. Se os resultados estão ligados em RCs com 'alternativamente ou sobreposição', também pode acontecer que não serão aplicados COs. Então, as forças internas e as deformações tornam-se zero.

Contacto

Encontrou a sua pergunta? Se não for o caso, entre em contacto connosco por e-mail, chat ou no fórum de discussão, ou então envie-nos a sua questão através do formulário online.

+49 9673 9203 0

(falamos português)

info@dlubal.com

Primeiros passos

first-steps

Aqui damos-lhe algumas dicas e informações úteis que o ajudam a familiarizar-se mais rapidamente com os programas principais RFEM e RSTAB.

Simulação de vento e geração de cargas de vento

O programa autónomo RWIND Simulation permite simular fluxos de vento em estruturas simples ou complexas através de um túnel de vento digital.

As cargas de vento geradas que atuam sobre esses objetos podem ser importadas para o RFEM ou o RSTAB.

O vosso apoio técnico é de longe o melhor

"Muito obrigado por toda a informação.

Gostaria de elogiar a equipa de apoio ao cliente. Fico sempre surpreendido com a rapidez e o profissionalismo com que as questões são respondidas. Na área da análise de estruturas, utilizo vários softwares inclusive com contratos de assistência, mas o vosso apoio técnico é de longe o melhor."