Funções do Programa

Procurar






Porquê o software da Dlubal?

Soluções

  • Mais de 45 000 utilizadores em 95 países
  • Um pacote de programas para todas as áreas de aplicação
  • Aprendizagem curta e manuseamento intuitivo
  • Apoio técnico gratuito de engenheiros experientes
  • Excelente relação preço/qualidade
  • Concepção de software em módulos com possibilidade de adquirir extensões
  • Sistema de licenças por escalas com licenças individuais e em rede
  • Software com provas dadas em muitos projetos de referência

Newsletter

Receba regularmente informação sobre novidades, dicas úteis, eventos planeados, ofertas especiais e vales.

  1. Representação gráfica da forma própria no RF-/STEEL AISC

    Solucionador de valores próprios para o dimensionamento de barras no RF-/STEEL AISC

    A determinação do momento de encurvadura por flexão-torção ocorre no RF-/STEEL AISC através de um solucionador de valores próprios, o qual permite a determinação precisa da carga de encurvadura crítica.

    O solucionador de valores próprios é completado por uma janela de visualização, que serve para verificar as condições de fronteira.

  2. Janela 1.1 Dados gerais

    Entrada de dados

    Após iniciar o módulo, começa-se por selecionar o grupo de ligações (ligações rígidas) e de seguida a categoria e o tipo de ligação (ligação rígida de chapa de extremidade ou ligação rígida de cobre-junta). Nesta fase, seleciona-se os nós a serem verificados no modelo RFEM/RSTAB. O RF-/JOINTS Steel - Rigid reconhece automaticamente as barras ligadas e determina com base na posição se se trata de pilares ou vigas. O utilizador pode intervir aqui.

    Se for necessário excluir algumas barras do cálculo, é possível desativá-las. As ligações construtivamente idênticas podem ser verificadas em simultâneo para vários nós. Para o carregamento é suposto selecionar os casos de carga, as combinações de cargas e as combinações de resultados determinantes. Alternativamente é possível introduzir manualmente as secções e as cargas. Na última tabela de entrada a ligação é configurada passo a passo.

  3. Janela 1.4 Geometria

    Dimensionamento

    O dimensionamento ocorre de acordo com as normas EN 1993-1-8 e EN 1993-1-1. Assume-se que os esforços internos estão localizados diretamente no nó definido. Para ligações viga-pilar surgem assim excentricidades adicionais ao plano de ligação, as quais têm de ser consideradas no cálculo. Além do dimensionamento do estado limite último da ligação, é efetuado o cálculo e a classificação da ligação no que diz respeito à rigidez.
  4. Janela 3.1 Verificações - resumo

    Resultados

    Nas janelas de resultados são apresentados detalhadamente todos os resultados do cálculo. Além disso, é criado um gráfico 3D, onde é possível mostrar e ocultar componentes individuais assim como as linhas de dimensão e p. ex. dados da soldadura. O resumo dos resultados mostra claramente se as verificações individuais foram cumpridas ou não. Além disso, são apresentados o número do nó e o caso de carga ou, respetivamente, a combinação de cargas ou a combinação de resultados determinante

    Ao selecionar uma verificação, são representados detalhadamente os resultados intermédios inclusive as ações e os esforços internos adicionais da geometria da ligação. Existe também a possibilidade de ver os resultados por casos de cargas ou nós. A representação 3D mostra a ligação de forma realística e de acordo com a escala. Além das vistas principais, existe também a possibilidade de ver o gráfico de qualquer perspetiva.

    Os gráficos podem ser incorporados juntamente com as dimensões e as anotações no relatório de impressão do RFEM/RSTAB ou exportados num ficheiro DXF. O relatório de impressão inclui todos os dados de entrada e resultados de forma a poderem ser comprovados. Todas as tabelas do módulo podem facilmente ser exportadas para um ficheiro do MS Excel ou CVS. Os dados de exportação são definidos num menu de transferência.

  5. Funções

    Geral
    • Ligação viga-pilar: ligação possível na forma de ligação da viga ao banzo do pilar assim como na forma de ligação do pilar ao banzo da viga
    • Ligação viga-viga: dimensionamento possível de juntas de vigas assim como ligações de chapas de extremidade resistentes a momentos e ligações rígidas com cobre-junta
    • Exportação automática possível dos dados de modelo e carregamento do RFEM ou RSTAB
    • Tamanhos de parafuso de M12 até M36 com as classes de resistência 4.6, 4.8, 5.6, 5.8, 6.8, 8.8 e 10.9, desde que a classe de resistência esteja disponível no anexo nacional selecionado
    • Praticamente todo o tipo de espaçamentos entre furos e bordas (verficação dos espaçamentos permitidos efetuada pelo programa)
    • Reforço de vigas com secções variáveis ou reforços nas partes superior ou inferior
    • Ligação de chapa de extremidade com e sem sobreposição
    • Possibilidade de ligações com solicitação de flexão pura, com solicitação de esforços normal puro (junta de tração) ou com combinação de esforço normal e flexão
    • Cálculo das rigidezes de ligação e verificação sobre a existência de uma ligação articulada, semi-rígida ou rígida
    Ligação de chapa de extremidade numa configuração viga-pilar
    • As vigas ou os pilares ligados podem ser reforçados de um lado com uma secção variável ou com reforços num ou em ambos os lados
    • Grande variedade de possíveis reforços da ligação (p. ex. reforços de alma completos ou incompletos)
    • Possibilidade de colocar até dez parafusos horizontais e quatro parafusos verticais
    • Os objetos ligados podem ser secções em I constantes ou de secção variável
    • Verificações:
      • Estado limite último da viga ligada (como p. ex. a resistência a esforço transversal e tração da chapa de alma)
      • Estado limite último da chapa de extremidade na viga (p. ex. uma peça em T sob tração)
      • Estado limite último dos cordões de soldadura na chapa de extremidade
      • Estado limite último do pilar na zona da ligação (p. ex. o banzo do pilar fletido - peça em T)
      • Todas as verificações são efetuadas de acordo com a EN 1993-1-8 ou EN 1993-1-1
    Ligação de chapa de extremidade resistente a momentos
    • Possibilidade de colocar duas ou quatro filas de parafusos verticais e a até dez filas de parafusos horizontais
    • As vigas ligadas podem ser reforçadas de um lado com uma secção variável ou com reforços num ou em ambos os lados
    • Os objetos ligados podem ser secções em I constantes ou de secção variável
    • Verificações:
      • Estado limite último das vigas ligadas (como p. ex. a resistência a esforço transversal e tração das chapas de alma)
      • Estado limite último da chapa de extremidade na viga (p. ex. uma peça em T sob tração)
      • Estado limite último dos cordões de soldadura nas chapas de extremidade
      • Estado limite último dos parafusos na chapa de extremidade (combinação entre tração e corte)
    Ligação rígida com cobre-junta
    • Na ligação de chapa de extremidade de banzo é possível colocar até dez filas de parafusos
    • Na ligação de chapa de extremidade de alma é possível colocar até dez filas de parafusos respetivamente na direção vertical e horizontal
    • O material das cobre-juntas pode ser diferente do material da viga
    • Verificações:
      • Resistência das vigas ligadas (p. ex. a secção líquida na zona de tração)
      • Resistência das chapas de cobre-junta (p. ex. a secção líquida sob tração)
      • Resistência dos parafusos individuais e dos grupos de parafusos (p. ex. verificação da resistência ao corte do parafuso individual)
  6. RF-/JOINTS Timber - Timber to Timber | Funções

    • Dimensionamento de ligações articuladas
    • Inclinação biaxial da barra conectada (p. ex. ligação de viga de cobertura)
    • Ligação de número infinito de barras num nó para o tipo ‘Só barra principal’
    • Diâmetros de parafuso de 6 mm – 12 mm
    • Verificação automática do espaçamento mínimo entre parafusos
    • Definição opcional livre de espaçamentos de parafusos
    • Transferência de excentricidade do modelo do RFEM/RSTAB
    • Alinhamento de parafusos em cruz ou paralelo
    • Definição de até 16 parafusos numa linha
    • Visualização gráfica de ligações no módulo adicional RFEM/RSTAB
    • Execução de todas as verificações necessárias
  7. Janela 1.1 Dados gerais

    RF-/JOINTS Timber - Timber to Timber | Entrada de dados

    Em primeiro lugar é necessário selecionar o tipo de ligação e a norma para o dimensionamento.

    As barras a serem conectadas são importadas do modelo do RFEM/RSTAB. O módulo verifica automaticamente se todas as condições geométricas são cumpridas.

    As cargas são igualmente importadas automaticamente do RFEM/RSTAB. Na janela Geometria podem ser especificados os parâmetros dos parafusos (diâmetro, comprimento, ângulo etc.).

  8. RF-/DYNAM Pro - Nonlinear Time History | Funções

    • Diagramas de tempo definidos pelo utilizador em função do tempo, na forma de tabela ou como cargas harmónicas
    • Combinação dos diagramas de tempo com casos ou combinações de cargas do RFEM/RSTAB (isto permite a definição de cargas de nós, barras e superfícies assim como cargas livres e geradas, variáveis em função do tempo)
    • Possibilidade de combinar várias funções de excitações independentes
    • Análise não-linear de histórico de tempo com a análise implícita de Newmarks (só no RFEM) ou a análise explícita
    • Amortecimento estrutural definido pelos coeficientes de amortecimento de Rayleigh
    • Importação direta de deformações iniciais de um caso ou combinação de cargas (só no RFEM)
    • Alterações de rigidez como condições iniciais, por exemplo efeito de força axial, barras desativadas (só no RSTAB)
    • Representação gráfica de resultados num diagrama de histórico de tempo
    • Exportação de resultados em intervalos de tempo definidos pelo utilizador ou como envolvente
  9. RF-/DYNAM Pro - Nonlinear Time History | Não-linearidades

    • Tipos de barra não-lineares, tais como tirantes, escoras e cabos
    • Não-linearidades de barras, tais como rotura, rasgamento e fluência sob tração ou compressão
    • Não-linearidades de apoios, tais como rotura, atrito, diagrama e atividade parcial
    • Não-linearidades de articulações, tais como atrito, atividade parcial, diagrama e fixo para esforços internos positivos ou negativos
  10. RF-/STEEL | Características gerais do programa

    • Verificações gerais de tensões
    • Importação automática dos esforços internos do RFEM/RSTAB
    • Saída gráfica e numérica de tensões e relações de tensões no RFEM/RSTAB
    • Várias possibilidades de adaptação da saída gráfica
    • Dimensionamento flexível em diferentes casos de dimensionamento
    • Saída de resultados rápida e clara para uma vista geral imediata sobre o decorrer das verificações após o dimensionamento
    • Alta eficiência devido aos poucos dados necessárias para a entrada
    • Flexibilidade através de opções de configuração detalhada para base e extensão dos cálculos

1 - 10 de 196

Contacto

Contacto da Dlubal

Tem alguma questão ou necessita de ajuda? Então entre em contacto com a nossa equipa de apoio técnico gratuita por e-mail, chat ou no fórum, ou então consulte as perguntas mais frequentes (FAQ).

+49 9673 9203 0

(falamos português)

info@dlubal.com

Primeiros passos

first-steps

Aqui damos-lhe algumas dicas e informações úteis que o ajudam a familiarizar-se mais rapidamente com os programas principais RFEM e RSTAB.

Software de alto rendimento e variável

“Acho que o software é tão poderoso e capaz, que as pessoas valorização verdadeiramente as suas capacidades após uma introdução apropriada.”

Apoio ao cliente a toda hora

Base de dados de conhecimento

Para além do serviço de apoio técnico (p. ex. via chat), pode encontrar na nossa página de Internet material de apoio que pode ser útil para os seus trabalhos com o software Dlubal.