Funções do Programa

Procurar

Show Filter Hide Filter






Porquê o software da Dlubal?

Soluções

  • Mais de 45 000 utilizadores em 95 países
  • Um pacote de programas para todas as áreas de aplicação
  • Aprendizagem curta e manuseamento intuitivo
  • Apoio técnico gratuito de engenheiros experientes
  • Excelente relação preço/qualidade
  • Concepção de software em módulos com possibilidade de adquirir extensões
  • Sistema de licenças por escalas com licenças individuais e em rede
  • Software com provas dadas em muitos projetos de referência

Newsletter

Receba regularmente informação sobre novidades, dicas úteis, eventos planeados, ofertas especiais e vales.

Simulação de vento e geração de cargas de vento

O programa autónomo RWIND Simulation permite simular fluxos de vento em estruturas simples ou complexas através de um túnel de vento digital.

As cargas de vento geradas que atuam sobre esses objetos podem ser importadas para o RFEM ou o RSTAB.

  1. Saída gráfica da resposta

    CADS Footfall Analysis | Solução

    Existe uma complexidade conhecida para o cálculo da resposta de passos em pisos ou escadas irregulares de qualquer tipo. O Footfall Analysis utiliza o modelo RFEM e os resultados da análise modal do RF-DYNAM Pro - Natural Vibrations para prever os níveis de vibração em todas as localizações no chão. Um método de análise rigoroso é essencial para permitir uma investigação precisa do comportamento dinâmico do piso.

    O software incorpora os procedimentos de análise mais atualizados, permitindo ao utilizador escolher entre os dois métodos de cálculo mais utilizados, nomeadamente o método do centro de betão (CCIP-016) e o método do Steel Construction Institute (P354).

  2. Entrada de análise

    CADS Footfall Analysis | Características

    • O Footfall Analysis vincula-se ao RFEM , usando a geometria do modelo a partir daí, portanto, o usuário não é obrigado a criar um segundo modelo especificamente para a análise de footfall
    • Permite ao usuário analisar qualquer tipo de estrutura para análise de pé, independentemente da forma, material ou uso
    • Previsões rápidas e precisas de respostas ressonantes e impulsivas (transitórias)
    • Medição cumulativa dos níveis de vibração - análise VDV
    • Saída intuitiva que permite ao engenheiro aconselhar melhorias de áreas críticas de forma econômica
    • Verificação de limite de aprovação/reprovação de acordo com BS 6472 e ISO 10137
    • Escolha das forças de excitação: CCIP-016, SCI P354, AISC DG11 para pisos e escadas
    • Curvas de ponderação de frequência (BS 6841)
    • Investigação rápida para o modelo completo ou áreas específicas
    • Análise de dose de vibração (VDV)
    • Ajuste a frequência de caminhada mínima e máxima, bem como o peso do andador
    • Valores de amortecimento de entrada do utilizador
    • Varie o número de passos para a resposta ressonante, entrada do usuário ou software calculado
    • Limite de resposta ambiental baseado nas normas BS 6472 e ISO 10137
  3. Eigenmode mass participation graph
  4. Análise de torção com empenamento no RF-/STEEL AISC

    Devido à extensão integrada do módulo RF-/STEEL Warping Torsion, é possível realizar o dimensionamento de acordo com o Guia de dimensionamento 9 no RF-/STEEL AISC.

    O cálculo é executado com 7 graus de liberdade segundo a teoria da torção com empenamento e permite um dimensionamento da estabilidade próximo da realidade com consideração da torção.

  5. Representação gráfica da forma própria no RF-/STEEL AISC

    Solucionador de valores próprios para o dimensionamento de barras no RF-/STEEL AISC

    A determinação do momento de encurvadura por flexão-torção ocorre no RF-/STEEL AISC através de um solucionador de valores próprios, o qual permite a determinação precisa da carga de encurvadura crítica.

    O solucionador de valores próprios é completado por uma janela de visualização, que serve para verificar as condições de fronteira.

  6. Consideração de restrições intermédias laterais no RF-/STEEL AISC

    No RF-/STEEL AISC existe a possibilidade de considerar restrições laterais em quaisquer posições. Por exemplo, é possível estabilizar apenas o flange superior.

    Além disso, podem ser atribuídos apoios intermédios definidos pelo utilizador, p. ex. molas de rotação e molas de translação em diferentes posições na secção.

  7. Janela 1.1 Dados gerais

    Entrada de dados

    Após iniciar o módulo, começa-se por selecionar o grupo de ligações (ligações rígidas) e de seguida a categoria e o tipo de ligação (ligação rígida de chapa de extremidade ou ligação rígida de cobre-junta). Nesta fase, seleciona-se os nós a serem verificados no modelo RFEM/RSTAB. O RF-/JOINTS Steel - Rigid reconhece automaticamente as barras ligadas e determina com base na posição se se trata de pilares ou vigas. O utilizador pode intervir aqui.

    Se for necessário excluir algumas barras do cálculo, é possível desativá-las. As ligações construtivamente idênticas podem ser verificadas em simultâneo para vários nós. Para o carregamento é suposto selecionar os casos de carga, as combinações de cargas e as combinações de resultados determinantes. Alternativamente é possível introduzir manualmente as secções e as cargas. Na última tabela de entrada a ligação é configurada passo a passo.

  8. Janela 1.4 Geometria

    Dimensionamento

    O dimensionamento ocorre de acordo com as normas EN 1993-1-8 e EN 1993-1-1. Assume-se que os esforços internos estão localizados diretamente no nó definido. Para ligações viga-pilar surgem assim excentricidades adicionais ao plano de ligação, as quais têm de ser consideradas no cálculo. Além do dimensionamento do estado limite último da ligação, é efetuado o cálculo e a classificação da ligação no que diz respeito à rigidez.
  9. Janela 3.1 Verificações - resumo

    Resultados

    Nas janelas de resultados são apresentados detalhadamente todos os resultados do cálculo. Além disso, é criado um gráfico 3D, onde é possível mostrar e ocultar componentes individuais assim como as linhas de dimensão e p. ex. dados da soldadura. O resumo dos resultados mostra claramente se as verificações individuais foram cumpridas ou não. Além disso, são apresentados o número do nó e o caso de carga ou, respetivamente, a combinação de cargas ou a combinação de resultados determinante

    Ao selecionar uma verificação, são representados detalhadamente os resultados intermédios inclusive as ações e os esforços internos adicionais da geometria da ligação. Existe também a possibilidade de ver os resultados por casos de cargas ou nós. A representação 3D mostra a ligação de forma realística e de acordo com a escala. Além das vistas principais, existe também a possibilidade de ver o gráfico de qualquer perspetiva.

    Os gráficos podem ser incorporados juntamente com as dimensões e as anotações no relatório de impressão do RFEM/RSTAB ou exportados num ficheiro DXF. O relatório de impressão inclui todos os dados de entrada e resultados de forma a poderem ser comprovados. Todas as tabelas do módulo podem facilmente ser exportadas para um ficheiro do MS Excel ou CVS. Os dados de exportação são definidos num menu de transferência.

  10. Funções

    Geral
    • Categoria de junta viga para coluna: conexão possível como junção da viga ao flange da coluna, bem como união da coluna ao flange da viga
    • Categoria de junta viga a viga: dimensionamento de juntas de viga tanto para ligações de placa de extremidade resistentes ao momento como para ligação de emenda rígida
    • Possibilidade de exportação automática de dados de modelo e carga do RFEM ou RSTAB
    • Tamanhos de parafusos de M12 a M36 com os graus de resistência 4.6, 4.8, 5.6, 5.8, 6.8, 8.8 e 10.9, desde que os graus de resistência estejam disponíveis no anexo nacional selecionado
    • Quase todos os espaçamentos dos parafusos e distâncias das arestas (é realizada uma verificação das distâncias permitidas)
    • Reforço da viga com afunilamentos ou reforços na superfície superior e inferior
    • Conexão da placa de extremidade com e sem sobreposição
    • Possibilidade de ligação com tensão de flexão pura, carga de força normal pura (união de tensão) ou combinação de força normal e flexão
    • Cálculo da rigidez da ligação e verificação da existência de uma ligação articulada, semi-rígida ou rígida
    Conexão da placa de extremidade em uma configuração de coluna de viga
    • As vigas ou os pilares das juntas podem ser reforçados com afunilamentos de um lado ou com reforços de um ou de ambos os lados
    • Vasta gama de possíveis reforços da ligação (por exemplo, reforços de banda completos ou incompletos)
    • Possibilidade de até dez parafusos horizontais e quatro verticais
    • Objeto conectado possível como seção I constante ou cônica
    • Projetos:
      • Estado limite último da viga ligada (como p. ex. a resistência a esforço transversal e tração da chapa de alma)
      • Estado limite último da chapa de extremidade na viga (p. ex. uma peça em T sob tração)
      • Estado limite último dos cordões de soldadura na chapa de extremidade
      • Estado limite último do pilar na zona da ligação (p. ex. o banzo do pilar fletido - peça em T)
      • Todos os modelos são executados de acordo com a EN 1993-1-8 e EN 1993-1-1
    União de placa de extremidade de resistência de momento
    • Duas ou quatro filas de parafusos verticais e até 10 horizontais
    • As vigas de união podem ser reforçadas com afunilamentos de um lado ou com reforços de um ou de ambos os lados
    • Objetos conectados são possíveis como seções I constantes ou cônicas
    • Projetos:
      • Estado limite último das vigas ligadas (como p. ex. a resistência a esforço transversal e tração das chapas de alma)
      • Estado limite último da chapa de extremidade na viga (p. ex. uma peça em T sob tração)
      • Estado limite último dos cordões de soldadura nas chapas de extremidade
      • Estado limite último dos parafusos na chapa de extremidade (combinação entre tração e corte)
    Ligação com cobre-junta rígida
    • Na ligação de chapa de extremidade de banzo é possível colocar até dez filas de parafusos
    • Na ligação de chapa de extremidade de alma é possível colocar até dez filas de parafusos respetivamente na direção vertical e horizontal
    • O material das cobre-juntas pode ser diferente do material da viga
    • Verificações:
      • Resistência das vigas ligadas (p. ex. a secção líquida na zona de tração)
      • Resistência das chapas de cobre-junta (p. ex. a secção líquida sob tração)
      • Resistência dos parafusos individuais e dos grupos de parafusos (p. ex. verificação da resistência ao corte do parafuso individual)

1 - 10 de 111

Contacto

Contacto da Dlubal

Tem alguma questão ou necessita de ajuda? Então entre em contacto com a nossa equipa de apoio técnico gratuita por e-mail, chat ou no fórum, ou então consulte as perguntas mais frequentes (FAQ).

+49 9673 9203 0

(falamos português)

info@dlubal.com

Primeiros passos

first-steps

Aqui damos-lhe algumas dicas e informações úteis que o ajudam a familiarizar-se mais rapidamente com os programas principais RFEM e RSTAB.

Software de alto rendimento e variável

"“Acho que o software é tão poderoso e capaz, que as pessoas valorização verdadeiramente as suas capacidades após uma introdução apropriada.”"

Ótimas funções

"Utilizo o software da Dlubal há já mais de um ano e continuo impressionado com as numerosas capacidades/flexibilidades que o programa oferece, particularmente a habilidade de fazer frente a desafios de dimensionamento e requisitos fora do vulgar típicos no meu trabalho diário."

Apoio ao cliente a toda hora

Base de dados de conhecimento

Para além do serviço de apoio técnico (p. ex. via chat), pode encontrar na nossa página de Internet material de apoio que pode ser útil para os seus trabalhos com o software Dlubal.