Cargas de vento em estruturas de cobertura em forma de cúpula circular segundo a ASCE 7-22

Artigo técnico sobre o tema análise estrutural e utilização do software Dlubal

  • Base de dados de conhecimento

Artigo técnico

Este artigo foi traduzido pelo Google Tradutor

Ver texto original

Quando se trata de cargas de vento em estruturas do tipo edifício de acordo com a ASCE 7, podem ser encontrados inúmeros recursos para suplementar as normas de dimensionamento e ajudar os engenheiros com esta aplicação de cargas laterais. No entanto, os engenheiros podem ter mais dificuldade em encontrar recursos semelhantes para o carregamento de vento em estruturas do tipo que não são edifícios. Este artigo examinará os passos para calcular e aplicar cargas de vento de acordo com a ASCE 7-22 num tanque circular de betão armado com uma cobertura em cúpula.

Determinação de cargas de vento segundo ASCE 7-22

A tabela 29.1-2 na ASCE 7-22 [1] descreve os passos necessários para determinar as cargas de vento numa estrutura circular de tanque de acordo com o sistema principal resistente às forças de vento (MWFRS).

Etapa 1 : A Categoria de risco é determinada a partir da Tabela 1.5-1 [1] com base na utilização ou ocupação do edifício. As estruturas de cúpula podem ser utilizadas como armazéns, representando um risco relativamente baixo para a vida humana. Por outro lado, as cúpulas também são utilizadas no dimensionamento de estádios desportivos, algo que pode ter um impacto extremamente elevado na vida humana em caso de rotura.

Etapa 2 : Após determinar a categoria de risco a partir do passo 1, a velocidade básica do vento (V) pode ser encontrada nas figs. 26.5-1 e 26.5-2 [1]. Estas figuras apresentam os mapas de 3 s da velocidade de rajada do vento para os Estados Unidos, que variam dependendo da localização e da categoria de risco da estrutura. A interpolação linear é permitida entre as linhas de contorno dadas.

Etapa 3 : Existem vários parâmetros de carga de vento necessários nesta etapa que em última análise, influenciam a pressão da carga de vento.

O fator de direcionalidade do vento (Kd ) da Tabela 26.6-1 [1] é dado como 1,0 para cúpulas circulares e tanques redondos.

Tendo em consideração as duas direções do vento, a categoria de exposição é definida com base na topografia, na plantas e noutras estruturas no lado da exposição a barlavento. Quanto maior a categoria de exposição (isto é, categoria D), mais exposta pode estar a estrutura.

O Factor de topografia (Kzt ) considera a velocidade do vento ascendente sobre montes, cumeeiras e escarpas. Este valor é calculado na Equação 26.8-1 [1] utilizando os fatores K1, K2 e K3 dados na Figura 26.8-1 [1].

Kzt = (1 + K1 K2 K3 ) ²

Os fatores K da Figura 26.8-1 [1] dependem do terreno, tais como a altura do monte (H), a distância do topo ao local do edifício (x), a altura acima da superfície do solo (z) etc.

A Tabela 26.9-1 [1] fornece o fator de elevação do solo (Ke ) com base na elevação da estrutura acima do nível do mar. Este fator também pode ser conservador como 1,0 para todas as elevação.

A Classificação do anexo pode ser determinada na Secção 26.2 [1]. As aberturas na estrutura podem influenciar a classificação. Em muitos casos para armazéns, a classificação da envolvente é considerada como "fechada". No entanto, para estádios desportivos, isso pode depender das aberturas de parede, cobertura retrátil etc. da estrutura.

Dependendo da classificação do envolvente, o Coeficiente de pressão interna (GCpi ) como valor positivo e negativo para considerar a pressão que atua na direção e na direção oposta das superfícies internas pode ser encontrado na Tabela 26.13-1 [1].

O fator de efeito de rajada (G) depende da definição de rigidez da estrutura como rígida ou flexível na Secção 26.2 [1]. A frequência natural fundamental desempenha um papel importante na determinação desta classificação. O módulo Análise modal no RFEM 6 pode ser utilizado para encontrar a frequência natural fundamental da estrutura. Secção 26.11 [1] apresenta as fórmulas relevantes para o cálculo de G para estruturas rígidas ou flexíveis. Alternativamente, 0,85 só pode ser utilizado para estruturas rígidas.

Etapa 4 : O coeficiente de exposição da pressão de velocidade (Kz ) pode ser encontrado na Tabela 26.10-1 [1] com base na categoria de exposição. Dois valores de Kz devem ser determinados com base na altura média da parede da cúpula e na altura média da cobertura da cúpula. A interpolação linear pode ser utilizada para valores de altura intermédios.

Etapa 5 : A Pressão de velocidade (qh ) é determinada a partir da Equação 26.10-1 [1].

qh = 0,00256Kz Kzt Ke

Todas as variáveis nesta equação foram determinadas nos passos anteriores. Devem ser calculados dois valores de qh para serem utilizados num passo posterior. O primeiro será qh à altura do centro de gravidade da parede e o segundo com base na altura média da cobertura da cúpula, as quais dependem dos valores de Kz do passo 4. A notação do subscrito qh x qz é utilizada alternadamente na Equação 26.10-1 [1] dependendo da pressão de velocidade avaliada para paredes versus cobertura, respetivamente.

Etapa 6 : O Coeficiente de força (Cf ) para paredes de uma cúpula isolada na Secção 29.4.2.1 [1] pode ser definido como 0,63, onde hc/D está no intervalo de 0,25 a 4,0 com hc = altura do cilindro sólido e D = diâmetro. Cf para paredes de cúpulas agrupadas é calculado com base na Figura 29.4-6 [1].

Etapa 7 : O Coeficiente de pressão externa (Cp ) para uma cobertura em cúpula com uma inclinação da cobertura superior a 10° é determinado na Figura 27.3-2 [1]. Com base nas dimensões para a elevação da cúpula, a altura até à base da cúpula e o diâmetro, serão determinados três valores Cp a partir desta figura para as posições A, B e C específicas da estrutura (Figura 01).

Dois casos de carga de vento para serem considerados ao longo do perímetro e da altura utilizando estes diferentes valores deCp :

Caso A: Os valores de Cp entre A e B e entre B e C serão determinados por interpolação linear ao longo de arcos na cúpula paralela à direção do vento.

Caso B: Cp deve ser o valor constante de A para θ ≤ 25 ° e deve ser determinado por interpolação linear de 25 ° para B e de B para C.

Etapa 8 : A Força do vento (F) para as paredes é calculada na Equação 29.4-1 [1].

F = qz Kd GCf Af

A Força do vento (F) pode por sua vez ser dividida pela Área projectada normal ao vento (Af ) para determinar a pressão da parede para aplicação como carga de superfície no RFEM. Tenha em atenção que qz é a Pressão de velocidade calculada anteriormente no passo 5, mas utilizada com um índice alternativo, uma vez que ambos são utilizados indiscriminadamente e avaliados no centro de gravidade de Af (a altura média da parede).

A pressão de cálculo (p) para uma cobertura em cúpula isolada e agrupada é determinada com a Equação 29.4-4 [1].

p = qh Kd (GCp - GCpi )

O valor qh do passo 5 é avaliado na altura média da cobertura da cúpula. G e GCpi são determinados no passo 3, enquanto vários valores deCp para uma cobertura em forma de cúpula > 10° são encontrados no passo 7.

Aplicação de pressão de parede no RFEM

A pressão do vento é determinada a partir do passo 8 na sequência acima. A pressão do vento deve ser aplicada à área projetada normal ao vento tanto na direção de barlavento como de sotavento. Esta carga de superfície projetada pode ser facilmente aplicada à face das paredes da cúpula através da opção de menu "Inserir" → "Cargas" → "Cargas de superfície". Na caixa de diálogo correspondente, pode selecionar primeiro as superfícies de parede e definir a direção da projeção (Figura 02).

Para verificar visualmente as cargas aplicadas, selecione a caixa de seleção "Distribuição das cargas" no navegador de resultados (ver Figura 03) após realizar a análise. É suficiente calcular uma iteração para o caso de carga correspondente. Isto pode poupar muito tempo do que resolver todos os casos de carga e combinações para estruturas maiores com uma malha de EF fina. A precisão da distribuição de carga depende da malha de EF. Quanto menor for a malha de EF, mais precisa e exata aparecerá a magnitude da distribuição da carga.

Aplicação da pressão de cobertura de cúpula no RFEM

Conforme explicado no passo 7 acima, a Figura 27.3-2 na ASCE 7-22 especifica os coeficientes de pressão externa para cúpulas com bases circulares. A nota 4 na Figura 27.3-2 [1] indica que os coeficientes de pressão externa são constantes ao longo de qualquer plano perpendicular à direção do vento. A Figura 27.3-2 [1] mencionada no passo 7 exibe os coeficientes de pressão externa a serem aplicados a três áreas ao longo da cobertura da cúpula (A, B e C). Devem ser considerados dois casos de carga como especificado na Figura 27.3-2 Nota 1 [1]. Em ambos os casos, as posições entre os pontos A, B e C devem ser determinadas por interpolação linear.

O coeficiente de pressão externa tem um valor de -0,4 para o ponto A, -1,1 para o ponto B e -0,4 para o ponto C (ver Figura 01). De acordo com a Equação 29.4-4 [1] e o passo 8 acima, os resultados da pressão do vento são -12,79 psf/-3,94 psf para o ponto A, -27,43 psf/-18,573 psf para o ponto B e -12,79 psf/-3,94 psf para Ponto C para a +GCpi e -GCpi, respetivamente.

Estas cargas podem ser facilmente definidas no RFEM com cargas retangulares livres que podem ser geradas no menu "Inserir" → "Cargas" → "Cargas retangulares livres". Além de definir o plano de projeção e a direção da carga, é possível considerar uma função linear para a distribuição de carga que cobre a interpolação entre os pontos individuais (A, B e C). São criadas duas cargas retangulares livres. Um é designado para as zonas A a B (Figura 04), o segundo para as zonas B a C (Figura 05).

A função de distribuição de carga mencionada anteriormente no navegador Resultados apresentará a carga de vento aplicada na cobertura da cúpula. Para uma visão clara do efeito da carga ao longo de uma linha de corte individual da cobertura, pode criar opcionalmente um Corte de resultados (Figura 06).

Autor

Cisca Tjoa, PE

Cisca Tjoa, PE

Engenheiro de apoio técnico

O Cisca é responsável pelo apoio técnico ao cliente e pelo desenvolvimento contínuo de programas para o mercado norte-americano.

Palavras-chave

ASCE ASCE-7 Carga de vento Cobertura circular em forma de cúpula

Referência

[1]   ASCE/SEI 7-22, Minimum Design Loads and Associated Criteria for Buildings and Other Structures

Escreva um comentário...

Escreva um comentário...

  • Visualizações 1059x
  • Atualizado 15 de fevereiro de 2024

Contacto

Contactar a Dlubal

Tem alguma outra questão ou necessita de aconselhamento? Contacte-nos através de telefone, e-mail, chat ou fórum, ou pesquise na página de FAQ, disponível 24 horas por dia, 7 dias por semana.

+49 9673 9203 0

(falamos português)

[email protected]

Ligações com secções circulares ocas no RFEM 6

Ligações com secções circulares ocas no RFEM 6

Seminário web 29 de fevereiro de 2024 14:00 - 15:00 CET

Análise estrutural avançada com o RFEM 6 Python API

Análise estrutural avançada com o RFEM 6 Python API

Seminário web 26 de março de 2024 14:00 - 15:00 CEST

RFEM 6 | Estudantes | Introdução ao dimensionamento de barras

Formação online 10 de abril de 2024 16:00 - 19:00 CEST

RSECTION 1 | Estudantes | Introdução à resistência dos materiais

Formação online 17 de abril de 2024 16:00 - 17:00 CEST

RFEM 6 | Estudantes | Introdução ao MEF

Formação online 24 de abril de 2024 16:00 - 19:00 CEST

RFEM 6 | Estudantes | Introdução ao dimensionamento de madeira

Formação online 30 de abril de 2024 16:00 - 17:00 CEST

RFEM 6 | Estudantes | Introdução ao dimensionamento de betão armado

Formação online 8 de maio de 2024 16:00 - 17:00 CEST

RFEM 6 | Estudantes | Introdução ao dimensionamento de aço

Formação online 15 de maio de 2024 16:00 - 17:00 CEST

RFEM 6
Pavilhão em arco

Programa principal

A nova geração do software 3D de elementos finitos é utilizada para o cálculo estrutural de barras, superfícies e sólidos.

Preço de primeira licença
4.650,00 EUR