270x
005500
2024-04-23

Verificações de estabilidade com torção

Ao realizar o dimensionamento de aço no RFEM 6 ou RSTAB 9, recebo um aviso de que a torção está a ser negligenciada nas verificações de estabilidade. Qual é a razão para isso e como posso evitar a mensagem de aviso?


Resposta:

Nas normas, a torção não é considerada nas verificações de estabilidade para o método da barra equivalente ou para o método geral. A mensagem de aviso alerta o utilizador para este facto.

Em primeiro lugar, deve ser analisada a magnitude das tensões ou dos momentos de torção. Com frequência os momentos de torção muito pequenos nas barras a serem dimensionadas evitam determinados formatos de dimensionamento. Para os negligenciar e suprimir o aviso, é possível alterar os valores limite na configuração do estado limite último. Não existe uma base normativa para este valor limite e, portanto, não existe uma especificação geral. Pode encontrar mais informação aqui:
Negligenciar a torção

No caso de secções abertas, geralmente pode ser assumido que os momentos de torção actuantes não são transferidos por torção primária, mas sim por torção secundária (empenamento). No RFEM 6 e no RSTAB 9, as forças internas são inicialmente determinadas apenas com seis graus de liberdade sem considerar os empenamentos. Para pequenos momentos de torção atuantes, parece óbvio negligenciar as tensões de torção no dimensionamento. Para grandes momentos de torção, no entanto, o cálculo deve ser realizado com sete graus de liberdade, de forma a considerar também a influência do momento de empenamento e das tensões de corte de torção secundárias. Isto é, por exemplo, com o módulo Torção com empenamento (7 GDL) para o RFEM 6/RSTAB 9 será emitida para cada empresa.


Autor

O Eng. Rehm participa nos desenvolvimentos da área das estruturas de madeira e presta apoio técnico a clientes.

Ligações