Base de Dados de Conhecimento

Procurar





Porquê o software da Dlubal?

Soluções

  • Mais de 45 000 utilizadores em 95 países
  • Um pacote de programas para todas as áreas de aplicação
  • Aprendizagem curta e manuseamento intuitivo
  • Apoio técnico gratuito de engenheiros experientes
  • Excelente relação preço/qualidade
  • Concepção de software em módulos com possibilidade de adquirir extensões
  • Sistema de licenças por escalas com licenças individuais e em rede
  • Software com provas dadas em muitos projetos de referência

Newsletter

Receba regularmente informação sobre novidades, dicas úteis, eventos planeados, ofertas especiais e vales.

  1. Figura 01 - guia Flanged

    Cargas de guindaste horizontais a partir da inclinação das pontes rolantes

    No caso de pistas de guindastes com grandes vãos, não é incomum que a carga horizontal de inclinação seja relevante para o projeto. Este artigo descreve a origem dessas forças e a entrada correta no KRANBAHN. Está aqui na implementação prática e no fundo teórico.

  2. Figura 01 - Estrutura

    Introduzir apoios laterais e os seus efeitos no RF-/STEEL EC3

    Quando dimensiona pilares ou vigas em aço, é geralmente necessário realizar análises de secção e estabilidade. Na maioria dos casos, o dimensionamento da secção pode ser realizado sem fornecer mais detalhes; o dimensionamento de estabilidade, contudo necessita de especificações adicionais do utilizador. Até determinado comprimento, a barra é cortada da estrutura e portanto, as condições de apoio tem de ser especificadas. Isto é particularmente importante para determinar o momento crítico ideal para a encurvadura por flexão torção Mcr. Também tem de ser definidos os comprimentos efectivo correcto Lcr. Estes são necessários para o cálculo interno das relações de esbelteza.
  3. Figura 01 - Structure, Loading, Internal Forces

    Para um transportador de dois campos, a classe transversal deve ser demonstrada. Além disso, as provas transversais necessárias devem ser mantidas. Devido a medidas de estabilização suficientes, a falha de estabilidade global é excluída.
  4. Figura 01 - Pórtico de nave como base para modelo de superfície

    Modelar ligações como modelos de superfície

    Com o RF-/FRAME Joint Pro, é possível dimensionar ligações de pórticos de acordo com DIN 18800 ou o Eurocódigo 3. Tratando-se de ligações não padronizadas ou uma verificação pormenorizada da ligação e do seu comportamento, é recomendada a utilização da modelação como superfície modelo. O artigo seguinte apresentará como tal modelo é gerado em princípio.
  5. Figura 01 - Secção

    Painéis reforçados longitudinalmente segundo a EN 1993-1-5, Secção 4.5

    No SHAPE-THIN é possível realizar o cálculo de painéis reforçados longitudinalmente de acordo com a Secção 4.5 da norma EN 1993-1-5. Para painéis reforçados longitudinalmente têm de ser consideradas as superfícies efectivas devido à encurvadura local dos painéis singulares na laje e nos reforços, bem como as superfícies efetivas de todo o painel de encurvadura do reforço de todo o painel.
  6. Figura 01 - Estrutura para o primeira etapa de dimensionamento e ligação selecionada

    Influência do deslizamento de ligações padronizadas em estruturas de aço

    Este artigo lida com a resistência de ligações padronizadas de acordo com as normas DSTV (associação alemã para a construção em aço)/DASt (comité alemão para aço estrutural), geralmente utilizadas na construção em aço e os seus efeitos na análise estrutural e resultados de dimensionamento de acordo com a norma DIN 1993-1-1.
  7. Figura 01 - Sistema e carregamento

    Modelação e dimensionamento de uma ligação de chapa de extremidade articulada

    Para a verificação de ligações de chapas de extremidade articuladas, o RFEM oferece as seguintes opções. Primeiro, existe a possibilidade no RF-JOINTS Steel - Pinned de uma rápida e simples entrada dos respetivos parâmetros, para obter de seguida uma análise documentada com gráfico. Em alternativa, é possível modelar uma ligação deste tipo de forma individual e interpretar e verificar os respetivos resultados manualmente. No seguinte exemplo são explicadas as particularidades deste tipo de modelação e os esforços de corte dos parafusos são comparados com os respetivos resultados no módulo RF-JOINTS Steel - Pinned.
  8. Figura 01 - Abrir administrador de blocos com elementos de catálogo

    Modelação de um mastro com o administrador de blocos

    Torres de treliça representam aplicações típicas na construção de aço. Exemplos para este tipo especial de estruturas de treliça são torres de linha de antena e aérea, ou colunas para estações de energia eólica, carros de cabo e estruturas de estrutura de suporte. A modelação pode ser feita individualmente no RFEM e no RSTAB, inserindo vários elementos da torre. Além disso, você pode usar diferentes funções de cópia e opções de entrada parametrizadas. No entanto, este procedimento normalmente requer um esforço considerável. É mais confortável modelar essas estruturas usando elementos de catálogo pré-fabricados fornecidos pelo Gerenciador de Blocos. Esses elementos são armazenados automaticamente no banco de dados durante a instalação do programa. Assim, você pode usar segmentos de torre, plataformas, suportes de antena, dutos de cabos e outros como blocos de construção parametrizados para gerar diversas estruturas de torre.
  9. Figura 01- Sistema

    Dobramento de flexão torcional de uma viga principal com perfil I de acordo com EN 1993-1-1

    Este exemplo foi tratado na literatura técnica [1] como Exemplo 9.5 e em [2] como no Exemplo 8.5. Para o transportador da etapa principal considerado, a prova de flexão de curvatura deve ser executada. É um componente uniforme. A prova de estabilidade pode, portanto, ser feita de acordo com a seção 6.3.3 da DIN EN 1993-1-1. Devido à flexão uniaxial, também seria possível fornecer uma prova do procedimento geral de acordo com a Seção 6.3.4. Além disso, a determinação de Mcr no modelo de haste idealizada deve ser validada com um modelo de MEF no âmbito dos métodos acima mencionados.

  10. Figura 01 - Modelo da estrutura de casca em aço

    Verificação da encurvadura local de estruturas em casca de aço através do conceito MNA/LBA

    A encurvadura em estruturas em casca é considerada o problema de estabilidade mais recente e menos explorado da engenharia estrutural.
    Isto deve-se não à falta de atividades de pesquisa mas devido à sua complexidade teórica. Com a introdução e o desenvolvimento do método de elementos finitos na prática da engenharia estrutural, alguns engenheiros não tem de lidar com a complicada teoria da encurvadura de estruturas em casca.
    A evidência dos problemas e erros a que isto dá origem está muito bem resumida em [1].

1 - 10 de 67

Contacto

Contacto da Dlubal

Tem alguma questão ou necessita de ajuda? Então entre em contacto com a nossa equipa de apoio técnico gratuita por e-mail, chat ou no fórum, ou então consulte as perguntas mais frequentes (FAQ).

+49 9673 9203 0

(falamos português)

info@dlubal.com

Base de dados de conhecimento

Base de dados de conhecimento

Na página ‘Base de dados de conhecimento’ pode encontrar vários artigos técnicos assim como sugestões e truques que se podem tornar úteis na resolução de problemas de engenharia estrutural com os programas da Dlubal Software.

Primeiros passos

first-steps

Aqui damos-lhe algumas dicas e informações úteis que o ajudam a familiarizar-se mais rapidamente com os programas principais RFEM e RSTAB.

Software de alto rendimento e variável

“Acho que o software é tão poderoso e capaz, que as pessoas valorização verdadeiramente as suas capacidades após uma introdução apropriada.”