Perguntas mais frequentes (FAQs)

Perguntas & respostas úteis

  • Perguntas mais frequentes (FAQs)

Procurar pergunta

Mostrar filtro Ocultar filtro





Apoio ao cliente 24/7

Além do apoio técnico pessoal (por exemplo, por e-mail, chat), pode encontrar ajuda e informação no nosso site.

Newsletter

Receba regularmente informação sobre novidades, dicas úteis, eventos planeados, ofertas especiais e vales.

1 - 10 de 206

Ordenar por:

Itens:

  • Resposta

    A maneira mais fácil de explicar a função é através de um exemplo. Este ficheiro de exemplo pode ser descarregado no final desta FAQ em "Downloads".


    • No caso de carga 1, resulta a seguinte reação de apoio para a distribuição "Real":

      Figura 01

    • Também no caso de carga 1, a seguinte distribuição resulta para a "Distribuição suave" (constante):

      Figura 02

    • No caso de carga 2, resulta a seguinte reação de apoio para a distribuição "Real":

      Figura 03

    O próximo passo é considerar uma CR aditiva com a seguinte definição:
    CR1 = CC1/p ou CC2/p


    Se olhar agora para a configuração "Soma da combinação de resultados", obtém a seguinte distribuição para a CR1:

    CC1 ... valor suavizado = 5 kN/m ... aqui, o valor máximo de CR1

    CC2 ... valor suavizado = 4 kN/m ... aqui, o valor mínimo de CR1


    Agora, no Navegador de projetos – Resultados, mudamos para o valor máximo da CR1 e a distribuição real das reações de apoio:


    O valor médio dos valores apresentados na figura anterior já não é 5,0 kN/m, mas sim 5,80 kN/m.


    Se avaliar agora o valor mínimo da CR1 com a opção "Valor médio dos valores apresentados", o resultado é de 3,2 kN/m em vez de os 4,0 kN/m descritos acima.


    A configuração no Navegador de projetos – Mostrar influencia assim a média dos resultados das CR aditivas.

  • Resposta

    Não, não é possível configurar valores definidos pelo utilizador ao visualizar os resultados das tensões de um sólido. Infelizmente, estes não funcionam como os resultados de uma superfície. É possível utilizar a ativação dos valores de resultados em cada nó da malha de EF utilizando as configurações apresentadas em Valores nas superfícies. Para aceder às configurações do filtro, clique com o botão direito do rato em "Valores nas superfícies".



    Em seguida, também pode definir a visualização dos seus resultados para Pontos sólidos através do menu Resultados. Isto ajudará a proporcionar uma melhor representação visual onde esses resultados estão dispostos graficamente.

  • Resposta

    Sim, isso é possível. Pode manter os resultados do RWIND Simulation se a malha de EF for eliminada. Para fazer isso, selecione a opção Manter resultados do RWIND Simulation se a malha for eliminada na configuração do RWIND Simulation:

    Figura 01 - Manter resultados do RWIND Simulation se a malha for eliminada

    Não é necessário um novo cálculo pelo RWIND Simulation se o material for alterado, as condições de apoio forem ajustadas ou forem feitas outras alterações que não afetem a análise CFD.

    Após ajustar o material, a malha de EF é eliminada e, portanto, também o caso de carga do RWIND. No entanto, pode gerar novamente este caso de carga RWIND em apenas alguns segundos ao criar novamente as cargas no RFEM clicando em CálculoRWIND Simulation – Calcular tudo no fundo.

    Figura 02 - Regenerar cargas após o ajuste do modelo

    Em seguida, os resultados voltam a estar disponíveis.

    Figura 03 - Caso de carga gerado a partir do RWIND Simulation

  • Resposta

    Uma articulação de linha não é nada mais do que uma libertação de linha em que um objeto é libertado. No caso de uma articulação de linha, é libertada uma superfície e, no caso de uma articulação de linha, isso é definido na linha de uma superfície. Portanto, a superfície libertada é a superfície na qual a articulação de linha foi definida.

    As forças atuam sempre na superfície original, ou seja, na superfície que não é libertada. No caso de articulações de linha, isso significa que as forças atuam na superfície sem articulação de linha.

    Agora, é necessário esclarecer as convenções do sinal, ou seja, em que direção a força atua na superfície. Para isso, é necessário conhecer o eixo x local das linhas, bem como o eixo z local da superfície. O sistema interno de coordenadas da articulação de linha deve ser entendido da seguinte forma:

    • O eixo x' aponta na direção do eixo x local da linha.
    • O eixo z' é o normal da superfície na qual a articulação de linha foi definida.
    • O eixo y' representa a tangente do plano da superfície e resulta da "regra da mão direita".

    Para o exemplo apresentado na Figura 01, isso significa o seguinte:

    Exemplo 1
    O eixo x da linha segue para a direita.
    O eixo z da superfície está orientado para baixo
    ⇒ O eixo y' da articulação de linha está orientado para fora da superfície original (= superfície sem articulação de linha). Como o valor é apresentado com um sinal negativo, a força atua na direção da superfície original.

    Exemplo 2
    O eixo x da linha segue para a esquerda.
    O eixo z da superfície está orientado para baixo
    ⇒ O eixo y' da articulação de linha está orientado para a superfície original (= superfície sem articulação de linha). Como o valor é apresentado com um sinal positivo, a força atua na direção da superfície original.

    Exemplo 3
    O eixo x da linha segue para a direita.
    O eixo z da superfície está orientado para baixo
    ⇒ O eixo y' da articulação de linha está orientado para a superfície original (= superfície sem articulação de linha). Como o valor resultante é apresentado com um sinal positivo, a força atua na direção da superfície original porque Actio = Reactio.

    Exemplo 4
    O eixo x da linha segue para a esquerda.
    O eixo z da superfície está orientado para baixo
    ⇒ O eixo y' da articulação de linha está orientado para fora da superfície original (= superfície sem articulação de linha). Como o valor resultante é apresentado com um sinal negativo, a força atua na direção da superfície original porque Actio = Reactio.

    Contrariamente às libertações de linha, o sistema de eixos não pode ser apresentado para as articulações de linha. Para o exemplo apresentado na imagem, é recomendado não dispor a articulação de linha na superfície, à qual se irá reportar o resultado, e orientar o eixo x da linha de forma que o respetivo eixo y fique orientado na direção da superfície pretendida. Para isso, aplica-se o sistema de coordenadas da linha.
  • Resposta

    Para isso, é necessário primeiro criar uma linha com a forma desejada na superfície do local onde o corte deve ser criado. A secção pode então ser disposta nesta linha (ver Figura 01). Se nenhum elemento com rigidez estiver ligado a esta linha e nenhuma carga for aplicada, é necessário primeiro informar o gerador de malha de que esta linha também deve ser integrada na malha (ver Figura 02). Após o cálculo, os resultados podem ser visualizados.

    Se forem apresentados dois diagramas de resultados, é porque o resultado pode ser visualizado em ambos os lados da linha. Neste caso, pode definir a suavização dos esforços internos como "Contínuo na totalidade". Em seguida, estas serão suavizadas sobre as linhas, ficando disponível apenas um diagrama de resultados.
  • Resposta

    As deformações das barras podem ser lidas através da função "GetMemberDeformations()", por exemplo. Esta função espera um número, o tipo de método de contagem para barras (número de barra/número na lista) e qual o sistema de coordenadas que deve ser utilizado. Pode selecionar se é utilizado o sistema de eixos local, o sistema de eixos principal ou o sistema de coordenadas global:

    Sub test_results_member_axis()

    Dim iApp As RFEM5.Application
    Set iApp = GetObject(, "RFEM5.Application")

    iApp.LockLicense

    Dim iMod As RFEM5.IModel3
    Set iMod = iApp.GetActiveModel


    On Error GoTo e

    'get interface for calculation
    Dim iCalc As RFEM5.ICalculation2
    Set iCalc = iMod.GetCalculation

    'get interface for results
    Dim iRes As RFEM5.IResults2
    Set iRes = iCalc.GetResultsInFeNodes(LoadCaseType, 1)

    'get deformations in local coordinate system
    Dim memDefs_L() As RFEM5.MemberDeformations
    memDefs_L = iRes.GetMemberDeformations(1, AtNo, LocalMemberAxes)

    'get deformations in global coordinate system
    Dim memDefs_G() As RFEM5.MemberDeformations
    memDefs_G = iRes.GetMemberDeformations(1, AtNo, GlobalAxes)

    'get deformations in principal coordinate system
    Dim memDefs_P() As RFEM5.MemberDeformations
    memDefs_P = iRes.GetMemberDeformations(1, AtNo, LocalPrincipalAxes)


    e:

    If Err.Number <> 0 Then MsgBox Err.description, vbCritical, Err.Source

    iMod.GetApplication.UnlockLicense
    Set iMod = Nothing

    End Sub


    O programa pequeno lê as deformações locais (memDefs_L) nos eixos da barra e nos eixos principais (memDefs_P) e as deformações globais nos eixos da barra (memDefs_G).

  • Resposta

    As tensões de contacto não são abrangidas pelas zonas de suavização.

    As zonas de suavização tratam apenas os esforços internos das superfícies que também são visíveis na caixa de diálogo ao introduzir a zona de suavização, assim como as tensões que são derivadas desses mesmos esforços internos das superfícies.
  • Resposta

    Após efetuar um cálculo, os esforços internos da barra podem ser visualizadas na Tabela 4.6 Barras – esforços internos. As ferramentas na parte superior da tabela contêm uma função de filtro. Na configuração de detalhes do filtro, pode ativar ou desativar os valores do esforço interno para o início da barra, os pontos internos ou o final da barra. O início e o final das barras são de interesse para o dimensionamento de ligações. Esta informação também pode ser exportada para o Microsoft Excel através da ligação direta nas opções da tabela.

    Pode encontrar mais informação sobre as opções de filtro no manual online 11.5.5 do RFEM. Funções de filtro.
  • Resposta

    O procedimento para isso é explicado com base no seguinte exemplo:

    Uma laje de betão tem os momentos fletores de -103 kNm a +49 kNm.

    Os momentos de -20 kNm a +20 kNm não devem ser apresentados como valores nas superfícies.

    1) Efetue a ativação do filtro para os valores entre -20 e +20, ver a Figura 01.

    Figura 01 - Ativação de filtro para visualização de valores

    2) Selecione todos os valores apresentados e desative novamente o filtro através do menu de atalho, ver a Figura 02.

    Figura 02 - Seleção e desativação do filtro

    3) Oculte os valores selecionados através do menu de atalho, ver a Figura 03.

    Figura 03 - Ocultar seleção

    Agora, os valores resultantes dos momentos entre -20 kNm e +20 kNm já não são apresentados, ver a Figura 04.

    Figura 04 - Visualização de valores desejados

  • Resposta

    Como todos os outros resultados, a resultante de um corte pode ser lida através de Model3 → ICalculation2 → IResults2. A interface para os resultados é fornecida pela função GetResultant, a qual devolve a estrutura ResultantForce depois de especificar o número do corte e o tipo de distribuição de resultados. Esta estrutura inclui, entre outras coisas, as forças e os momentos como vetores:

    Sub GetResultantSection()
        Dim iApp As RFEM5.Application
        Dim iModel As RFEM5.model
        Set iModel = GetObject(, "RFEM5.Model")

        On Error GoTo e

        '   get interface from model
        Set iApp = iModel.GetApplication
        iApp.LockLicense

        '   get interface from calculation
        Dim iCalc As RFEM5.ICalculation2
        Set iCalc = iModel.GetCalculation

        '   get interface from results from loadcase 1
        Dim iRes As RFEM5.IResults2
        Set iRes = iCalc.GetResultsInFeNodes(LoadCaseType, 1)

        '   get Resultant
        Dim section_resultant As ResultantForce
        section_resultant = iRes.GetResultant(1, AtNo, ConstantDistributionOnElements)

    e:
    If Err.Number <> 0 Then
        MsgBox Err.Number & " " & Err.description
    End If

    If Not iApp Is Nothing Then
        iApp.UnlockLicense
    End If

    End Sub

1 - 10 de 206

Contacto

Contactar a Dlubal

Encontrou a sua pergunta? Se não for o caso, entre em contacto connosco por e-mail, chat ou no fórum de discussão, ou então envie-nos a sua questão através do formulário online.

+49 9673 9203 0

(falamos português)

info@dlubal.com

Primeiros passos

Primeiros passos

Oferecemos -lhe informação e dicas para o ajudar a começar a utilizar os programas básicos RFEM e RSTAB.

Simulação de vento e geração de cargas de vento

Manuais do RWIND Simulation

Com o programa autónomo RWIND Simulation, pode simular fluxos de vento em torno de estruturas simples ou complexas através de um túnel de vento digital.

As cargas de vento geradas que atuam nestes objetos podem ser importadas para o RFEM ou RSTAB.

O vosso apoio técnico é de longe o melhor

"Muito obrigado por toda a informação.

Gostaria de elogiar a equipa de apoio ao cliente. Fico sempre surpreendido com a rapidez e o profissionalismo com que as questões são respondidas. Na área da análise de estruturas, utilizo vários softwares inclusive com contratos de assistência, mas o vosso apoio técnico é de longe o melhor."