Perguntas mais frequentes (FAQs)

Procurar pergunta




Apoio ao cliente a toda hora

Base de dados de conhecimento

Para além do serviço de apoio técnico (p. ex. via chat), pode encontrar na nossa página de Internet material de apoio que pode ser útil para os seus trabalhos com o software Dlubal.

Newsletter

Receba regularmente informação sobre novidades, dicas úteis, eventos planeados, ofertas especiais e vales.

  • Resposta

    A função "Simular e gerar cargas de vento" para exportar modelos para o RWIND Simulation está disponível no RFEM ou no RSTAB a partir da versão x.21.01 de 22-10-2019.


    Com um contrato de serviço válido, pode efetuar o download da versão atual do programa na sua conta Dlubal. Basta iniciar a sessão aqui:


    Se não possui um contrato de serviço, pode efetuar o download da versão do programa que adquiriu na seguinte página:

  • Resposta

    Após a instalação bem-sucedida da interface, a barra de ferramentas Dlubal está disponível para o utilizador. Utilize os componentes correspondentes para controlar a exportação para o RFEM. Para fazer isso, basta arrastar e largar na interface de programação. Não é possível importar do RFEM.


    A comunicação entre o Grasshopper e o RFEM é possibilitada pelo "RFEM 5 COM Component". Uma vez ativado este componente com informações geométricas, a exportação é iniciada. Este requer um ficheiro do RFEM aberto. Também é recomendado utilizar um ficheiro vazio, visto que o procedimento de exportação substitui ou elimina todas as informações. De momento, não está implementado um mecanismo de atualização.
    O "RFEM 5 Member Component" permite ao utilizador anexar informações adicionais à geometria (linhas, curvas). Estas são tidas em conta na exportação para o RFEM para que seja possível criar barras. O nome do material e da secção devem ser introduzidos numa caixa de texto (painel). A rotação da barra pode ser definida através de um "Number Slider" em [rad].
    O "RFEM 5 Surface Component" deve ser utilizado de forma análoga ao componente "Member". Supõe-se que existe uma superfície ao introduzir a geometria. O material pode ser anexado à superfície utilizando um painel. A espessura da superfície é definida por um controlo de deslize numérico em [m]. O tipo de rigidez da superfície pode ser controlado através de uma "Value List" com tipos predefinidos.


    O ficheiro Grasshopper do gráfico encontra-se disponível para download. Para a exportação final, ainda têm de ser definidas as linhas de ligação.

  • Resposta

    Em princípio, a utilização da interface é muito simples. Após a instalação bem-sucedida, a barra de ferramentas Dlubal no Rhino fica disponível para o utilizador. Esta inclui dois ícones (Exportar e Importar).



    O ícone "Importar" permite importar dados do RFEM para o Rhino. Esta ação implica sempre a importação de todo o modelo RFEM. Não é efetuada qualquer atualização. Os dados são adicionados à estrutura existente.
    O ícone "Exportar" permite exportar dados do Rhino para o RFEM. Normalmente, toda a estrutura é exportada. Se pretender exportar apenas partes da estrutura, estas devem ser selecionadas antes de iniciar a exportação. Para que a exportação ocorra, é necessário iniciar o RFEM e criar um ficheiro. É importante ter em atenção que a exportação substitui todos os dados existentes do ficheiro aberto. Por isso, recomenda-se a abertura de um ficheiro vazio.

  • Resposta

    Sim, é possível criar um ficheiro de vídeo no RWIND Simulation. Organize o gráfico no ecrã e selecione o menu "Ferramentas → Criar ficheiro de vídeo".

    Na caixa de diálogo "Criar ficheiro de vídeo" (Figura 1), pode definir o nome do ficheiro de vídeo numa caixa de diálogo separada utilizando o botão [Procurar]. É possível selecionar diferentes tipos de ficheiros de vídeo. Além disso, a qualidade e a frequência de gravação também podem ser ajustadas.

    Clique no botão [Iniciar] para iniciar a gravação e no botão [Parar] para a interromper.
  • Resposta

    A descrição de combinações de carga diferentes não pode ser idêntica, caso contrário aparece a mensagem de erro apresentada na Figura 1. A combinação de cargas correspondente pode ser encontrada na mensagem de erro (na Figura 1, combinação de cargas n.º 2). 

    O modelo apresentado na Figura 2 contém a combinação de cargas CO1 e CO2. Ambas as combinações de carga têm a mesma descrição "ULS". É necessário alterar uma das duas descrições para que seja possível uma importação. 

  • Resposta

    A importação não é possível devido às imprecisões de modelagem, razão pela qual aparece a mensagem de erro apresentada na Figura 1. Por isso, a superfície 1 apresentada na Figura 2 não é absolutamente plana. A coordenada X dos nós 1–4 não é igual. Se esta imprecisão de modelagem for eliminada, a importação é possível.
  • Resposta

    No RFEM, os resultados dos gráficos são suavizados com base nos resultados em pontos da malha de FE. Os resultados são transferidos para o REVIT com base nos resultados nos pontos da grelha. No RFEM, a grelha para as superfícies é definida para 0,5 m por defeito. Defina uma grelha fina para as superfícies e a representação gráfica dos resultados no RFEM e no REVIT será comparável.
  • Resposta

    As camadas de fundo podem ser ocultadas ou apresentadas no Navegador Mostrar em Objetos auxiliares → Camadas de fundo. A visibilidade pode ser definida individualmente ou para todas.

  • Resposta

    As camadas de fundo podem ser ocultadas ou apresentadas no Navegador Mostrar em Objetos auxiliares → Camadas de fundo. A visibilidade pode ser definida individualmente ou para todas.

  • Resposta

    As secções criadas com o SHAPE-THIN podem ser carregadas através da biblioteca de secções. Para o fazer, clique em "Importar secção do programa SHAPE-THIN" na caixa de diálogo "Nova secção" (Figura 1).

    A caixa de diálogo "Importar secção do programa SHAPE-THIN" apresenta os seguintes diretórios (Figura 2):

    • todos os diretórios incluídos no gestor de projetos do RFEM 5, RSTAB 8, SHAPE-THIN 8, etc. 
    • todos os diretórios incluídos no gestor de projetos das versões anteriores do programa SHAPE-THIN, como o SHAPE-THIN 7

    Com o botão "Procurar a secção SHAPE-THIN" (Figura 3), é possível procurar secções em diretórios que não estão integrados no gestor de projetos. Em seguida, o diretório procurado é adicionado à lista de diretórios da caixa de diálogo "Importar secção do programa SHAPE-THIN".

    A secção pretendida pode ser selecionada e importada a partir do respetivo diretório. Tenha em atenção que as secções devem ser calculadas e guardadas no SHAPE-THIN antes dos valores da secção poderem ser carregados. Apenas é possível importar cada secção individualmente.

    Ao importar uma secção SHAPE-THIN no RSTAB/RFEM, esta secção é importada para a biblioteca de secções definida pelo utilizador. As secções definidas pelo utilizador podem ser importadas através do botão "Carregar secções guardadas definidas pelo utilizador" da biblioteca de secções (Figura 4). Se pretende atualizar a secção na biblioteca de secções definidas pelo utilizador, importe novamente a secção modificada. O pedido de confirmação tem de ser respondido com "Sim" (Figura 5).

    O vídeo demonstra, inicialmente, como é importada a secção de BRIDGE a partir da pasta Examples ligada ao gestor de projetos. De seguida, o exemplo-1 da secção é importado a partir do diretório Ambiente de trabalho que não está ligado ao gestor de projetos. As secções agora estão disponíveis na biblioteca de secções definidas pelo utilizador. A título de exemplo, o exemplo-1 no RFEM é eliminado e colado na biblioteca de secções definidas pelo utilizador. Posteriormente, é demonstrado como a secção do exemplo-1 do SHAPE-THIN é alterada e novamente importada para o RFEM.

1 - 10 de 93

Contacto

Contacto da Dlubal

Encontrou a sua pergunta? Se não for o caso, entre em contacto connosco por e-mail, chat ou no fórum de discussão, ou então envie-nos a sua questão através do formulário online.

+49 9673 9203 0

(falamos português)

info@dlubal.com

Primeiros passos

first-steps

Aqui damos-lhe algumas dicas e informações úteis que o ajudam a familiarizar-se mais rapidamente com os programas principais RFEM e RSTAB.

Simulação de vento e geração de cargas de vento

O programa autónomo RWIND Simulation permite simular fluxos de vento em estruturas simples ou complexas através de um túnel de vento digital.

As cargas de vento geradas que atuam sobre esses objetos podem ser importadas para o RFEM ou o RSTAB.

O vosso apoio técnico é de longe o melhor

"“Obrigado pela informação valiosa.

Gostaria de elogiar a equipa de apoio ao cliente. Fico sempre surpreendido com a rapidez e o profissionalismo com que as questões são respondidas. Utilizei muito software com um contrato de apoio no domínio da análise estrutural, mas o seu apoio é de longe o melhor. "